Tumblelog by Soup.io
Newer posts are loading.
You are at the newest post.
Click here to check if anything new just came in.
dicasdeboadieta60

Cinco Dicas Pra Aumentar O Tráfego Em Teu Website

http://saudeetreinostecnicas1.qowap.com/14977650/as-sete-melhores-estrat-gias-para-vender-mais


O Jornal Nacional descreveu pela quinta-feira (8) uma reportagem sobre o estudo mais abrangente e profundo neste instante feito sobre isso as notícias falsas que se multiplicam no lugar da internet. http://dicassobrecomendobem8.diowebhost.com/11432270/seis-express-es-em-ingl-s-muito-usadas-em-marketing as chamadas fake news, essas mentiras, acabam se espalhando com mais rapidez do que notícias verdadeiras. E quanto mais espetaculares estas mentiras pareçam, mais pessoas ajudam a divulgá-las. Nesta sexta-feira (9), a BBC Brasil publicou uma reportagem que ilustra bem os perigos nesse modo pra uma democracia. A fabricação de perfis falsos numa rede social para elogiar uma candidatura à Presidência e pra atacar adversários, inclusive com notícias falsas. Um http://descobrindosite0.diowebhost.com/11424532/como-voc-foi-pedida-em-casamento desativado, mas ainda podes ser achado pela internet.


É o "Seja argumentada a verdade". O autor era Armando Santiago Júnior, que se descrevia numa mídia social como “um cidadão brasileiro indignado com o que chamava de ação criminosa dos tucanos e seus aliados na campanha eleitoral”. A reportagem da BBC informa que Armando nunca existiu. Além do perfil incorreto de Armando, inmensuráveis outros assim como foram usados para os ataques, segundo os ex-funcionários.



Alguns ainda podem ser encontrados na internet, no entanto não são mais usados. Perfis com profissões, origem, idades, considerações, tudo pra atravessar a ideia de que seriam pessoas reais. A reportagem mostrou que era tudo fake, incorreto. Os ex-funcionários contaram que as fotos pros perfis falsos eram retiradas da internet: de páginas de fora do Brasil, principalmente, e de blogs com fotos "para fakes", ou melhor, feitos pontualmente pra essa finalidade.


Imagens de turcos, às vezes africanos, pra se parecer mais com o brasileiro, e de blogs de paquera. A corporação de marketing político responsável pelo serviço, mencionada pela BBC, é a Ahead Marketing, que bem como, de acordo com a reportagem, pertence a Gabriel Arantes Cecílio e, pela data assim como pertencia a Arnaldo Lincoln de Azevedo.


Em teu site, a Ahead Marketing Político se retrata até hoje como uma companhia que adaptou o marketing de guerrilha para a realidade política e dá serviços como o de “invisible talkers”, traduzindo, comunicadores invisíveis. Grupo de agentes treinados que inserem mensagens em pontos estratégicos da cidade, por intervenção de diálogos entre eles mesmos ou com a população.


Não há na prestação de contas da campanha de 2010 de Dilma e do PT registros de pagamentos a Ahead Marketing. 234 1 mil da campanha de um aliado, o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, do PT, a uma outra empresa do mesmo dono da Ahead, Gabriel Cecílio Arantes. Em 2017, a lei passou a proibir a divulgação de conteúdos de cunho eleitoral a partir de usuários falsos. O emprego de fake news, de notícias falsas, nas eleições de outubro é hoje uma das principais preocupações do Tribunal Superior Eleitoral, que construiu um grupo pra tentar impossibilitar que elas se espalhem. O promotor de Justiça Frederico Meinberg argumentou que o eleitor necessita permanecer atento a todas os dados. “O discernimento de que está recebendo aquela notícia é de suma credibilidade para combater fake News. Pela incerteza é considerável o eleitor, o usuário daquela da plataforma de tecnologia validar aquela fato. E como se faz isto no Brasil ou em cada território do universo?


É indo nos meios de intercomunicação tradicionais”, alegou o coordenador do Comissão dos Proteção de Detalhes Pessoais do MP do Distrito Federal e Territórios. A assessoria de Dilma Rousseff comentou que, em nenhuma das duas campanhas, a ex-presidente autorizou a contratação de serviços relativos a perfis ou notícias falsas. Comentou embora desconhece empresas ou pessoas que atuem na área.



Tags: blog

Don't be the product, buy the product!

Schweinderl